Pesquisa personalizada

quarta-feira, 1 de julho de 2009

SP recebe de volta prédio dos anos 20 reformado



Quando entrou em vigor, no início de 2007, a Lei Cidade Limpa escancarou as cicatrizes paulistanas. No centro velho de São Paulo, de forma especial, a mudança foi brusca e inesperada. Como sujeira varrida para debaixo do tapete, deterioração e pichações apareceram nas fachadas dos imóveis, com a retirada das placas publicitárias e letreiros. Esse contexto fez com que a Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) decidisse restaurar um dos seis imóveis que tem na região central: o histórico Edifício Casa das Arcadas, na esquina das Ruas Quintino Bocaiuva e Benjamin Constant, cuja reinauguração acontece hoje.

"Como somos uma instituição ligada à cultura e às artes e temos curso de Arquitetura e Urbanismo, procuramos conduzir a intervenção para deixar de exemplo aos proprietários de outros imóveis", diz Silvio Passarelli, diretor da Faculdade de Artes Plásticas da Faap. "Tudo foi feito com muito carinho." A obra de restauração da fachada do edifício levou cerca de um ano e meio. O valor investido não foi divulgado.

Erguido nos anos 20 pela empresa Siciliano & Silva Escritório Técnico de Construções, o Casa das Arcadas tem estilo neoclássico. A origem do nome do edifício tem dupla explicação: seria decorrência dos arcos que formam a ornamentação da fachada externa, nos dois primeiros pisos, e alusão à formação, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, conhecida como Arcadas, dos advogados que mantinham escritórios no local.

De vocação comercial, o endereço abriga hoje cerca de 80 estabelecimentos em seus sete pavimentos e térreo - entre consultórios médicos, escritórios e lojas, como a antiga sapataria Fidalga, inaugurada na década de 30. Com a restrição a cartazes publicitários e letreiros na fachada, restaram as estruturas metálicas e os displays estranhos ao desenho original. "Tivemos uma preocupação em resgatar ao máximo possível o estilo histórico", ressalta Passarelli. "O interior já vinha sendo bem conservado pelos inquilinos e administradores."

RESTAURAÇÃO

De acordo com a Faap, a fachada do Casa das Arcadas sofreu tanto com a deterioração do tempo quanto com as intervenções realizadas pelo comércio. Todas as descaracterizações do prédio - como revestimentos de azulejos, displays de ferro e vidro, suportes de anúncios, bandeiras de chapa metálica e lambris de alumínio - foram removidas ao longo da reforma. A fachada também passou por uma profunda limpeza.

Um projeto de iluminação exterior deu o toque final. Foram instaladas 47 arandelas com lâmpadas de vapor metálico e 36 projetores com lâmpadas fluorescentes, que devem realçar os arcos, colunas, capitéis e mísulas da construção.

MURAL

Há cerca de três meses, a Faap iniciou o processo de restauração do mural Brasil, feito em 1983 - em parceira com 26 então alunos da instituição - pelo artista inglês Walter Kershaw. A obra fica no muro que circunda a sede administrativa da instituição, entre as Ruas Armando Álvares Penteado e Avaré, no bairro de Higienópolis. O trabalho deve ficar pronto até o fim do ano. "É um processo lento", comenta a diretora do Museu de Arte Brasileira da Faap, Maria Izabel Branco Ribeiro, que acompanha o processo. "Apesar da degradação natural, as condições da obra permanecem boas."

Kershaw esteve no País para promover a exposição itinerante Painting the Town. Noventa murais - nove deles, de autoria do inglês - foram exibidos no Museu de Arte de São Paulo (Masp). O painel no muro da Faap foi pintado como atração da mostra. "Gostaria que Kershaw viesse (para a reinauguração), mas ainda não amadurecemos bem a ideia", conta a diretora. "Mandamos uma carta a ele, que ficou muito feliz ao saber que o mural ainda existe."

Fonte: Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

cultura_R