Pesquisa personalizada

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Bichos de estimação ficam enciumados com bebês; veja como evitar

O animal é o centro das atenções e vive rodeado de mimos. De repente, sua rotina muda porque a família se prepara para a chegada de um bebê.

Um novo quarto, novas atividades e novos horários. Essa é uma situação comum em que o cão e o gato podem ficar com ciúme, depressivos e até pararem de comer.

Para os bichos, é difícil dividir a atenção dos donos. O veterinário Daniel Giberne, diretor da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais, explica que, nessas situações, as pessoas devem manter as atividades normais, como brincar ou passear.

"Além disso, a restrição absoluta do animal ao quarto do bebê ou ao ambiente em que ele esteja é um erro. Ele precisa aprender a conviver com a novidade. É necessário fazer uma restrição seletiva, mas não impedir o acesso. A aproximação dos dois é importante para que o animal perceba que não perdeu seu espaço, está apenas dividindo com mais uma pessoa", afirma Giberne.

Segundo Cristina Fotin, veterinária homeopata que trata do comportamento animal, os bichos se sentem assim por sua característica de proteção territorial. Por isso, o contato entre eles precisa ser trabalhado. Para ela, o ideal é que os donos conversem com os bichos e expliquem as mudanças. "Os animais percebem o que os donos querem dizer. Inicialmente, os cachorros podem estranhar a presença da criança, mas, se puderem participar, vão adotar o bebê e protegê-lo como se fosse um filhote."

Cristina explica que há algumas variações de comportamento de acordo com o sexo e a idade do animal. O filhote está mais aberto a mudanças. Um cachorro adulto tem seu ritmo estabelecido, e o idoso, acima de nove anos, tem mais dificuldade de se relacionar porque tem manias e dores decorrentes da idade, o que o torna mais rabugento.

As fêmeas respeitam mais os filhotes. Já os machos têm características territoriais, eles determinam seu espaço e reagem quando se sentem ameaçados.

Pincher enciumada

Safira, uma pincher de 15 anos de idade, reagiu mal ao ter de dividir a atenção de sua dona, a fisioterapeuta Vanessa Brugiolo, depois do nascimento de Thiago, hoje com seis anos. Vanessa conta que, durante a gravidez, Safira ficou mais próxima dela.

"Ela me acompanhava pela casa o tempo todo. Mas, quando o Thiago nasceu, a gente deixou de dar um pouco de atenção, e ela sentiu, porque sempre foi o bebezinho da família. Não foi de propósito, mas o Thiago também exigia atenção."

Safira acabou culpando o garoto por essa ausência. "Ela não gosta dele até hoje. Ele tenta brincar com ela, mas ela avança. Não deixa ele se aproximar de jeito nenhum", conta.


MARIANA MAZIERO
da Revista da Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

cultura_R